sexta-feira, março 20, 2015

Dia Internacional da Felicidade


20 de março de 2015 – Dia Internacional da Felicidade
A felicidade não está reservada somente para algumas pessoas. É um direito e uma responsabilidade individual que cada um de nós deve zelar no seu dia-a-dia.

Alguns dados sobre a natureza da felicidade
  • Os resultados de um estudo revelam que a felicidade depende não apenas de quão bem estão as coisas, mas sobretudo se estão melhor do que o esperado.

Este estudo reforça a necessidade de cada um de nós possuir um propósito no rumo da vida. Algo, maior que o nosso egocentrismo, que dedicamos uma parte substancial do talento, que sejamos persistentes e que consigamos assumir um compromisso honesto e abnegado.
  • De acordo com um estudo sobre a felicidade, será mais saudável haver uma multiplicidade de sentimentos (positivos e negativos) do que somente sentimentos positivos ou sentimentos negativos isoladamente.

É Ok sentir. Não existem sentimentos “bons” ou “maus”, “certo” ou “errado”. É Ok expressar os sentimentos e compreender a informação/mensagem anexa a fim de desenvolvermos a literacia emocional/espiritual.  Este estudo apela ao equilíbrio; a alegria faz mais sentido, após períodos de tristeza. Sem desafios ou adversários não existe êxito. A gratidão e a empatia são uns excelentes lubrificantes dos vínculos nos relacionamentos de intimidade, principalmente, após períodos adversos, conflituosos e conturbados. Sentir é uma manifestação indissociável à condição humana e à expressão do self.

As pessoas mais felizes gostam de pessoas. Partilhe a sua felicidade e explore o seu mundo interior.

Ser feliz não é ser perfeito; é ser autêntico. Hoje e sempre, seja o mais feliz possível.

sexta-feira, março 13, 2015

Recuperação da adicção; podemos optar pela esperança.


O evidente estava mesmo à minha frente. Os meus olhos viam, o meu coração negava, era demasiado duro, demasiado vergonhoso e humilhante. Eu esforçara-me tanto para uma boa educação e instrução.Tinha posto regras durante o crescimento... e depois o meu marido sempre a ameaçar que os punha na rua, mas porquê? O que é que eles têm?! Nenhum de nós se atrevia a pronunciar sequer a palavra, delinquentes. Os nossos filhos eram a escória da sociedade, o mundo caiu em cima dos meus ombros, a dor foi tão forte, tão forte que jamais a esquecerei. Começou então a corrida desenfreada aos médicos, medicamentos, desregras, ameaças, perdões, escassos sucessos e maiores afundamentos. As horas passadas à janela e o alívio ao vê-los ao fundo da rua, vivos e logo de seguida a raiva a desilusão das promessas não cumpridas e o medo o medo de tudo o que poderia acontecer.
Lembro-me que pedi ferverosamente ajuda a Deus. Já não sei eu não quero… que eles morram… só Tu me podes ajudar e... no dia seguinte encontrei Famílias Anónimas (FA)[i]. Não foi fácil, ainda não o é, mas encontrei identificação nas partilhas de quem como eu amava e sofria. Também aprendi que a delinquência não era mais que a doença da adição a drogas e álcool. Afinal não eram escória eram doentes, uma doença que os poderia levar ao hospital, à cadeia e o pior, que eu nem queria pensar, a uma cova sem regresso. Uma doença que só eles poderiam travar, e que eu que tantos os amava teria de aprender a amá-los melhor. Aprendi a viver um dia de cada vez, às vezes uma hora ou uns minutos, a viver e deixar viver, a não controlar e manipular. Eu era ainda mais manipuladora que os meus entes queridos, a dar-lhes a dignidade de sofrerem ou exultarem com as suas decisões, foi tão difícil, mas eu tinha o telefone e do outro lado sempre uma voz amiga para falar.
Já lá vão algumas 24 horas, mas para mim faz parte da recuperação. Eu sinto, será um trabalho de eu com o meu eu, até ao fim. Foi através deste programa de 12 passos[ii], que eles acabaram por encontrar o caminho da recuperação e eu encontrei o milagre da união da família, do sorriso, da felicidade que pensei nunca mais voltar a ter.
Gratidão sem limites é o sentimento que nutro por FA. 
Um abraço
Suzete  




[i] As Famílias Anónimas são um grupo de ajuda mútua que utilizam o conceito dos 12 Passos na recuperação dos relacionamentos dependentes. Estes grupos, são oriundos dos EUA (primeiro grupo fundado no final dos anos 50 ), existem em Portugal desde meados dos anos 80. Estes grupos, de homens e mulheres, São considerados uma referência internacional na recuperação (novos estilos de vida) da adicção.
[ii] 12 Passos são a filosofia que sustenta o programa de recuperação individual, de doze etapas, através dos grupos de ajuda mútua (ex. Alcoólicos Anónimos, Narcóticos Anónimos, Família Anónimos, etc.).

Comentário: Bem haja à Suzete pela sua participação no blogue através da sua experiencia, honestidade e recuperação. A adicção afecta significativamente as dinâmicas familiares através do ressentimento, da vergonha, da raiva, sentimento de culpa e do medo, todos são afectados, incluindo as crianças. Nesse sentido, é importante quebrar o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. Recuperar é que está a dar.


sexta-feira, janeiro 30, 2015

Ernest Kurtz


1935 - 2015
No dia 19 de Janeiro de 2015 faleceu o conceituado e ilustre Dr. Ernest Kurtz vítima de cancro no pâncreas. 
O Dr. Kurtz estudou Historia da Civilização Americana em Harvard (1978) e enquanto tirava o seu doutoramento em Harvard, foi o primeiro investigador a quem foi concedido total acesso aos registos dos Alcoólicos Anónimos onde mais tarde escreveu um livro. Foi ordenado padre, na Igreja Católica Romana, em 1961 onde exerceu até 1979. No inicio dos anos 80, iniciou a carreira docente na Universidade da Geórgia. Foi também director de uma instituição de tratamento, para indivíduos dependentes de álcool e drogas, designada Guest House, onde outrora tinha estado internado e começado a sua recuperação do alcoolismo.

Participou também como investigador no Departamento de Psiquiatria da Universidade de Michigan e no Center for Self-Help Research. Entre 1978 e 1999, colaborou na Universidade de Rutgers (Summer School of Alcohol Studies) e entre 1987 e 1997, como palestrante na Universidade de Chicago.

O Dr. Kurtz dedicou uma parte significativa da sua vida profissional a investigar a adicção e a recuperação, com especial ênfase, a influência da espiritualidade na recuperação. Era também alcoólico em recuperação desde meados da década de 70.

Foi autor e co autor de vários livros
  • “Not God; A History of Alcoholics Anonymous”, 1979
  • “Vergonha e Culpa”, 2007
  • Foi também co autor com Katy Ketcham dos livros: “The Spiritual Imperfection”, 1997 e “ Experiencing Spirituality”, 2004


"Historia e imperfeição são os meus temas predilectos;  não necessariamente nesta ordem" Ernest Kurtz, 1996 

Aproveito a oportunidade para prestar homenagem a tão distinta figura. Morreu o homem; mas a sua herança irá permanecer intacta para a eternidade. Ernest Krutz será sempre uma referência para todos aqueles que trabalham na luta contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos em prol da recuperação do individuo, da família e da sociedade. Os meus pêsames à sua família. Recuperar É Que Está A Dar.



quarta-feira, janeiro 28, 2015

3 Factos importantes sobre os sentimentos




Gestão dos sentimentos e o auto conhecimento: É Ok sentir, é sinonimo de estarmos saudáveis e vivos.

De acordo com determinados paradigmas disfuncionais somos educados a: 1. “Manter a cabeça fria”, 2. “Manter as emoções ao largo”, 3. “Não deixar que as paixões interfiram na logica” 4. A negar e/ou reprimir o medo, a vergonha e a raiva 5. A valorizar as aparências em detrimento do Eu genuíno. Como resultado, concebemos os sentimentos como uma faculdade mental excessiva, imatura e "lamecha" um parceiro do pensamento racional que é dispensável e imposta. Se o sentimento é doloroso sofremos com ele como um intruso indesejado.

Não rotule os sentimentos de “bons” ou “maus”, “certo” ou “errado”. Valorize todos os seus sentimentos, quer sejam de felicidade e contentamento ou dolorosos e tristeza. É através dos sentimentos que tomamos decisões, que buscamos a motivação para superar a adversidade, que damos azo à criatividade, que intuímos sobre determinada situação importante, que nos aproximamos ou afastamos de pessoas (encontros e desencontros), que valorizamos as nossas necessidades.
Aprenda a discernir e a interpreta-los através da componente cognitiva e assim desenvolver a sua literacia emocional.
Dica:
  • O que é que me provocou este sentimento?
  • O que é que eu penso em relação a _____________ . (incidente associado ao sentimento)?
  • Qual é o significado do sentimento?

Partilhe os seus sentimentos com pessoas de confiança e disponíveis para ouvir. Se deseja explorar os sentimentos, procure  feedback crítico. Recuperar é que está a dar.


segunda-feira, janeiro 26, 2015

"O meu nome é..."


Amavelmente, a Editorial Bizâncio enviou-me o livro "O meu nome é..." de Alastair Campbell (alcoólico em recuperação). Aproveito para sugerir a sua sua leitura às pessoas interessadas sobre o tema do alcoolismo. 

De acordo com a minha experiência profissional de duas décadas, o álcool é a droga mais perigosa: afecta o individuo, a sua família, incluindo as crianças, e a sociedade. Algumas tradições culturais disfuncionais promovem e reforçam o consumo e o abuso do álcool. Paradoxalmente, as mesmas tradições disfuncionais que reforçam o estigma, a negação e a vergonha associado ao alcoolismo.

Saiba mais em Editorial Bizâncio  

segunda-feira, janeiro 19, 2015

10ª Dica Arte Bem-Viver de 29/05/11


O poder do Silêncio
Desde cedo, não somos ensinados a interpretar o silêncio e a tirar proveito dele de uma maneira construtiva. Por vezes, o silêncio revela a verdade dentro de nós, principalmente se estabelecermos uma relação saudável e honesta com o eu interior.

Faça esta pergunta a si próprio.
Como é que me sinto no aqui-e-agora?

Através do poder do silêncio conseguimos identificar a nossa consciência, a intuição, atingir a introspecção e o poder da reflexão construtiva. Celebramos os nossos sucessos e/ou sentimos as nossas frustrações e angustias (dor) almejando um equilíbrio emocional.
Precisamos do silêncio para repor a ordem e o equilíbrio depois de momentos de adversidade. Estabelecemos vínculos e conexões com as outras pessoas à nossa volta de forma a não nos sentirmos sós e isolados do mundo (solidão). Através do silêncio podemos reflectir sobre a importância destes vínculos e conexões.
Utilizar o poder do silêncio para reflectir e inspirar-me sobre o dia de Hoje.
Votos de uma semana repleta de desafios, surpresas e conquistas.


Comentário: Sabia que a Dica Arte de Bem-Viver começou com uma "brincadeira", em Abril de 2011, para os amigos? Atualmente é enviada para mais de 700 pessoas de vários países de expressão portuguesa (Portugal, Angola, Moçambique e Brasil) e para os Estados Unidos da América. À data deste post vai na sua 200ª publicação. Caso deseje receber a Dica Arte Bem-Viver (semanal) basta enviar um email para joaoalexx@sapo.pt. No assunto da mensagem escreva: Dica Arte Bem-Viver. Todos os dados são confidenciais. É grátis. Recuperar É Que Está A Dar.

domingo, dezembro 21, 2014

Boas Festas 2014



Aproveito a época natalícia para desejar Boas Festas aos seguidores e colaboradores do blogue.
A essência do Natal gira em torno dos relacionamentos com as pessoas, aproveite a quadra natalícia, e reforce os vínculos com as pessoas especiais.

- Recuperar É Que Está A Dar - Ame, sinta, desfrute, descomplique, partilhe e acrescente algo com significado ao rumo da sua vida.

Para as pessoas que estão em recuperação da sua adicção, esta altura do ano apresenta algumas situações de risco de recaída (festas, presentes, pessoas, pressão, comida, memórias dolorosas, relacionamentos difíceis com pessoas). 
Anteveja cenarios de risco e elabore um plano de prevenção de recaída com objectivos realistas e específicos, de forma a manter a sua recuperação em primeiro lugar. Você não está sozinho/a, caso seja necessário apele aos seus recursos (pessoas e/ou instituições).
Se você se considera um/a adicto/a, a recuperação deverá ser a prioridade nº1 na sua vida.

Seja feliz!